terça-feira, 6 de setembro de 2011

Carta do General Beresford e do Tenente-Coronel Proby ao General Dalrymple (6 de Setembro de 1808)




Lisboa, 6 de Setembro de 1808.


Senhor:


Tivemos a honra de informar Vossa Excelência na nossa carta de hoje que fizemos uma intimação ao General Kellermann; devido à mensagem que recebemos de Vossa Excelência através do Capitão Wynyard, pretendíamos estender esta intimação tanto quanto nos fosse possível. Porém, os motivos que tivemos para pedirmos os oitenta contos de réis, cerca de 22.000 libras, derivaram dum artigo no Decreto do Comandante em Chefe francês para a sua extracção, que é claramente inconsistente com a trégua que então estava estabelecida; e temos a máxima satisfação em comunicar a Vossa Excelência que, depois duma longa discussão, foi completamente admitido [por Kellermann] o nosso raciocínio sobre todos os pontos das duas cartas anexas, cujo nosso pleno direito foi admitido, dado que havíamos estabelecido que, a partir do primeiro dia das tréguas, passávamos a ter um direito sobre tudo que exista, exceptuando bagagens militares ou propriedades privadas, e que qualquer extracção ou apropriação de propriedade pública que fosse feita a partir daquele momento devia ser devolvida. Acordou-se que [os franceses] devem fornecer os relatórios que se tinham pedido aos administradores ou recebedores das receitas civis, e que temos claramente o direito a tudo o que exista no Tesouro ou noutras receitas civis, tanto em moeda como em objectos de valor de qualquer espécie.
Também ficou acordado que os oitenta contos de réis retirados do Depósito Público serão restituídos imediatamente, em barras ou de outra forma que satisfaça plenamente os administradores do Depósito; e, resumindo, ficaremos apenas satisfeitos quando eles nos declararem que foram indemnizados. A obrigação da restituição do que se tinha extraído das Livrarias e Museus Reais e Públicos foi admitida completamente pelo General Kellermann, e será cumprida se insistirmos neste ponto. Contudo, ele quis que submetêssemos ao Comandante em Chefe das forças britânicas que, dado que tudo o que se tinha extraído do Museu era duplicado, e que faltava no Museu parisiense, os franceses queriam obter permissão para levar consigo aquilo que pretendessem, requerimento este que não podíamos negar que o transmitiríamos a Vossa Excelência, apesar de estarmos convencidos que não se concordará com nada para além da restituição dos artigos. Contudo, esperamos instruções vossas sobre este assunto.
Como o General Kellermann nos prometeu, depois deste pleno ajuste, que iria passar a escrito a sua resposta sobre o mesmo efeito, esperávamos transmitir a Vossa Excelência esta resposta juntamente com as cópias das nossas demandas, que vão anexadas; porém, ainda não a recebemos, apesar de desde então ele nos ter informado que já foi escrita; e devemos-lhe a justiça de dizer de que o seu procedimento e conduta na discussão foi o mais cândido, honorável e cavalheiresco. 
Temos a honra de ser, Senhor, os mais humildes e obedientes servidores de Vossa Excelência,

W. C. Beresford,
Major General.

Proby,
Tenente-Coronel.


Sem comentários:

Enviar um comentário