domingo, 4 de setembro de 2011

Carta de Lord Castlereagh, Secretário de Estado da Guerra do Governo britânico, ao Brigadeiro-General Charles Stewart (4 de Setembro de 1808)



Downing Street, 4 de Setembro de 1808.





Meu caríssimo Charles*:

O tumulto do nosso júbilo pela conduta gloriosa e pelos sucessos de Wellesley foi perturbado cruelmente por uma comunicação de [D. Domingos de] Sousa [Coutinho] sobre uma suposta Convenção, em cuja cópia aparece inscrito o nome de Wellesley; se fosse levado a efeito, este instrumento garantiria aos franceses vantagens para além daquelas que seriam alcançadas através dos sucessos mais brilhantes, ao passo que os seus 10.000 homens estão actualmente pressionados por nada menos que 50.000 homens, entre britânicos e portugueses.
Em 1.º lugar, Bonaparte é reconhecido, à face de tal instrumento, como Imperador dos franceses.
Em 2.º lugar, providencia uma retirada segura de um corpo do inimigo destituído de quaisquer outros meios de escape.
Em 3.º lugar, dá à França a inteira graça de ter salvado para a Rússia a sua frota, quando na verdade a França não dispõe dum resto de poder para protegê-la.
Em 4.º lugar, sacrifica gratuitamente a frota dum inimigo, e, pela forma como o faz, reconhece direitos de neutralidade da parte de Portugal em relação à Rússia, os quais, se pudessem alguma vez ter subsistido num porto ocupado por um exército francês, teriam sido destruídos, mesmo em aparência, pela nomeação formal de Junot como o Tenente de Bonaparte em Portugal; e implica sobre todos nós o embaraço de observar um porto dos nossos com uma frota, enquanto devemos dar ao inimigo quarenta e oito hora de avanço, para que não possamos apanhá-lo.
Em 5.º lugar, dá à França não só o uso imediato do seu exército, o qual não poderia ter sem a nossa assistência activa, mas também o que se saqueou em Portugal, debaixo da máscara de propriedade privada.
Em 6.º lugar, dá à França toda a graça de ter protegido aqueles portugueses que traíram o seu soberano, enquanto nos implica na desgraça de expor os nossos aliados a ser posteriormente atacados por uma frota que a França teve a autoridade e meios para proteger. Acreditará a Espanha ou a Europa que isto foi antecedido por triunfos da nossa parte? E não ficará a França convencida do contrário?
Em 7.º lugar, finalmente, parece ser, no seu resultado geral, uma feliz maquinação, segundo a qual a Inglaterra teria feito um esforço poderoso apenas para tornar um Estado dependente no protector de um dos seus inimigos, enquanto [o próprio Armistício] se torna um instrumento segundo o qual o inimigo deve remover um exército duma posição que está perdida, para um onde pode recomeçar as sua operações com vantagem.
Não me posso perdoar por sentir a injustiça que é feita a Wellesley, ao supor que algum poder na terra o poderia ter induzido a ter uma parte individual em tal acordo; não imagino nenhum oficial britânico a ser capaz de fazê-lo, e muito menos aquele a quem confiámos a chefia do comando do nosso exército e marinha. [Para além disto] é uma Convenção que nenhum oficial francês honrado poderia propor por escrito, enquanto acordo racional entre as partes, e que, até enquanto esboço ou primeiro projêt [sic], para ser oferecido para consideração, necessitaria de todo o descaramento solene daquela nação.
Somente a posso entender enquanto suspensão de armas; e, se tivesse sido assinada enquanto tal, ainda que sendo politicamente desaconselhada, não estaria cheia de estipulações sobre os pontos mais importantes a ser ajustados; pois na verdade deixa para trás detalhes poucos importantes para negociar. Resumindo, é uma base falsificada algures, e nada me pode convencer a acreditar que seja genuína.
Deus vos abençoe, caríssimo Charles!
Com pressa,

Castlereagh

[P.S.] Escrevo a Dalrymple, incluindo a nota de Sousa, juntamente com a resposta de Canning, na qual se declara a total descrença do caso, bem como a indignação deste Governo perante o ataque de um poder [=Junta Suprema do Porto] que somente pôde surgir através dos nossos meios, e que tenta arrogar direitos que não tem, com o objectivo de voltá-los para a protecção de um inimigo que tem sido de facto dela, enquanto nos ajuda tanto quanto auxiliou os franceses a manterem-se em Lisboa.

Castlereagh

[Fonte: Charles William Vane (org.), Correspondence, Despatches, and other Papers of Viscount Castlereagh, second Marquess of Londonderry – Vol. VI, London, William Shoberl Publisher, 1851, pp. 421-423]. 

_________________________________________________________________


Nota:

Brigadeiro-General Charles Stewart (meio-irmão do próprio Lord Castlereagh), tinha partido da Inglaterra em finais de Julho com a expedição do corpo militar comandado pelo General John Moore. Como já referimos, devido a uma tempestade, as embarcações que traziam a bordo estes militares demoraram mais de duas semanas para se reunirem no ponto combinado, a oeste do cabo Finisterra. Para evitar perder mais tempo, enquanto Moore acabava de reunir a frota que trazia os seus corpos, o General Harry Burrard (segundo no comando do exército britânico destinado a Portugal), que também vinha nesta expedição, decidiu adiantar-se, a bordo duma fragata, no dia 16 de Agosto. Ao chegar ao Porto, Burrard recebeu as cartas que Wellesley lhe tinha ali deixado e decidiu partir imediatamente ao seu encontro, vendo-se no entanto impossibilitado (devido a ventos contrários) de enviar ordens a Moore para este o seguir. Depois de esperar algum tempo pelas ordens de Burrard, e apercebendo-se que estas não chegariam tão cedo devido aos referidos ventos contrários, Moore acabou por decidir partir para o sul. Charles Stewart, que, como dissemos, vinha nesta expedição, teria então avançado à frente de Moore, partindo para o Porto (no dia 17 ou 18) para entrar em contacto com Burrard, ou, se este já tivesse partido (o que realmente ocorrera, como acima ficou dito), para saber quais eram as suas ordens. Stewart desembarcou no Porto (no dia 18 ou 19), sendo então informado que Burrard partira ao encontro de Wellesley. Devido a este inesperado conjunto de circunstâncias, Stewart encontrou-se na mesma ocasião com o Brigadeiro-General Frederick von Decken, agente secreto do Governo britânico, que tinha acabado de chegar ao Porto no dia 17 de Agosto, e que logo nessa noite se encontrara com o Bispo e Presidente da Junta Suprema do Porto. Von Decken aproveitou assim a passagem de Charles Stewart para lhe encarregar de ser o portador da sua primeira carta a Dalrymple sobre as intenções do Bispo do Porto. Sabemos que Charles Stewart chegou ao Vimeiro no dia 24 de Agosto, antes de John Moore, com a referida carta de von Decken, mas a partir daí ignoramos o seu destino, sendo bastante provável que se tenha mantido, pelo menos até à data da carta acima traduzida, com o exército agora comandado por Dalrymple. 

Sem comentários:

Enviar um comentário