sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Assento do Conselho do Exército português sobre a Convenção definitiva de 30 de Agosto (2 de Setembro de 1808)


O General Bernardim Freire de Andrade, constando-lhe que, apesar das observações que fez ao General em Chefe do Exército inglês sobre os artigos que lhe comunicou do Armistício concluído entre o General Wellesley e o General francês Kellermann, se ajustou definitivamente uma Capitulação entre os dois Exércitos, que ainda não lhe foi oficialmente comunicada, porém que confidencialmente se patenteou ao Major Aires Pinto de Sousa, que ele tinha autorizado para tratar destes assuntos com o dito General; e sabendo [através do dito Major] que a dita Convenção não difere na substância dos artigos anunciados no sobredito Armistício; parecendo-lhe que neles não se tem a contemplação devida com este Exército, com o Governo Supremo [do Porto] e com a Nação; e conhecendo por uma parte que uma tal Capitulação é prejudicial aos interesses da Nação, atentatória à Autoridade Soberana do Príncipe Regente, e pouco decorosa para o Exército, a quem não se contempla; mas reconhecendo também ao mesmo tempo os inconvenientes que resultariam não só para a causa pública deste Reino, mas até aos da Europa interessada principalmente em se libertar do jugo da França, se ele, General [Bernardim Freire], obrasse de algum modo que transtornasse as medidas que a Inglaterra pode ter escolhido para obter um fim tão importante: Assentou de consultar com os Oficiais Chefes das diferentes Armas [infantaria, cavalaria e artilharia] do Exército do seu comando os interesses da Nação, sem todavia comprometer o Governo e o Exército por medidas de rotura que a todos os respeitos pareciam impraticáveis; e à excepção do voto que vai em separado do Coronel Francisco da Silveira Pinto da Fonseca, por todos os outros votos se acordou: Que se escrevesse ao General Dalrymple, Comandante em Chefe do Exército britânico, a carta junta por cópia, participando imediatamente à Junta do Governo Supremo do Porto este assento com a exposição dos factos que o motivaram, para dela receber as instruções e ordens para a continuação das operações do Exército. 
Quartel-General da Encarnação, 2 de Setembro de 1808.

Bernardim Freire d'Andrada.
D. Miguel Pereira Forjaz.
Nuno Freire d'Andrada.
Francisco da Silveira Pinto da Fonseca.
António de Lacerda Pinto da Silvera.
Aires Pinto de Sousa.
Luís Guedes de Carvalho.
Filipe de Sousa Canavarro.

[Fonte: Luís Henrique Pacheco Simões (org.), "Serie chronologica da correspondencia diplomatica militar mais importante do General Bernardim Freire de Andrade, Commandante em Chefe do Exercito Portuguez destinado ao resgate de Lisboa com a Junta Provisional do Governo Supremo estabelecido na cidade do Porto e o Quartel General do Exercito Auxiliar de S. Magestade Britanica em Portugal", in Boletim do Arquivo Histórico Militar - Vol. II, 1931, pp. 3-77, pp. 21-22 (doc. 69)].

Sem comentários:

Enviar um comentário