domingo, 28 de agosto de 2011

Carta do Tenente-Coronel Murray ao General Dalrymple (28 de Agosto de 1808)





Lisboa, 28 de Agosto de 1808.



Meu caro Senhor:


Apesar de me parecer que o meu dever mais imediato seria levar ao vosso Quartel-General a Convenção que acabei de assinar, a fim de ser submetida à vossa ratificação, o conhecimento que tenho dos vossos sentimentos sobre a maioria dos pontos em questão, entre outras circunstâncias que ocorreram, induziram-me a preferir ir pessoalmente até ao Almirante [Charles Cotton] e a enviar o Capitão Dalrymple para o Ramalhal.
Fizeram-se duas cópias da Convenção em inglês, e duas em francês, de forma a que cada parte interessada possa possuir um original em cada língua.
O Capitão Dalrymple é o portador duma cópia em francês que deverá ser ratificada por vós, se a aprovardes, e eu levarei uma uma cópia em inglês ao Almirante, com o mesmo objectivo. Sugeriu-se que as duas cópias deveriam ser depois intercambiadas, de forma a que em cada uma delas possa ser inscrita a assinatura que falta.
Parece-me melhor trocar as cópias ratificadas neste lugar, e para esse fim tenciono regressar da frota amanhã; e tenho que requerer que me transmitais assim que for possível a cópia enviada pelo Capitão Dalrymple. Depois de ter ambas na minha posse, guiar-me-ei de acordo com as circunstâncias.
Se a convenção for ratificada, instarei que as tropas francesas deverão retirar-se imediatamente. Em relação às posições que podem ser ocupadas pelas nossas tropas, penso que, logo que seja possível, devemos colocar a nossa direita em Cascais e nos fortes vizinhos, dispondo-se um grande corpo em Sintra; e que uma parte do exército deve avançar em direcção à margem do Tejo, acima de Lisboa; neste caso, a parte principal do exército tomaria a estrada de Mafra. Por aquilo que pude ver do terreno, é ali que a cavalaria pode agir melhor, caso seja necessário. Quando as coisas estiverem um pouco mais avançadas, poderei sem impropriedade fazer mais investigações particulares sobre a conveniência dos meios de subsistência e outras circunstâncias.
Acreditai em mim, meu caro Senhor, etc., 


George Murray 


Sem comentários:

Enviar um comentário