sábado, 3 de setembro de 2011

Diário do General John Moore (3 de Setembro de 1808)




Perto de Sintra, 3 de Setembro.


Marchámos de Torres Vedras no dia 1 ao meio-dia. Previa-se que alcançaríamos Mafra naquela noite, mas encontrámos os postos franceses ainda em frente daquele lugar, e tomámos o nosso terreno nos vales e montanhas opostas; parte da esquerda estava na tapada pertencente ao convento de Mafra. Os postos franceses retiraram-se durante a noite, e começámos a marchar às seis da manhã do dia 2. O exército parou em etapas do caminho, devido à conveniência da água. A divisão do General Murray, que marchou da Coutada, parou em Mafra; a divisão do General Fraser em Cheleiros; a do Major-General Paget em Sintra, [onde se instalou] o Quartel-General; a cavalaria e a artilharia [colocou-se] neste lugar, que fica a três milhas curtas de Sintra; a divisão do General Hope está a uma milha e meia da nossa esquerda. Os fortes de S. Julião, do Bugio e de Cascais foram ontem apossados pelos Regimentos n.º 42 e Buffs, os quais encontraram-se na barra de Lisboa, vindo o primeiro de Gibraltar, e o outro da Madeira, a fim de se reunirem com o exército. A região por onde marchámos durante estes dois dias é excessivamente dura e difícil; e se os franceses têm 12.000 ou 15.000 homens, é estranho que não nos tenham tentado parar, em vez de combaterem a batalha do dia 21. Se se tivessem determinado a fazer uma campanha defensiva, deveriam manter-nos fora de Lisboa durante um tempo considerável, obrigando-nos a ganhar cada milha com perdas consideráveis.


Sem comentários:

Enviar um comentário