segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Carta privada do General Wellesley a Lord Castlereagh, secretário de Estado da Guerra do Governo da Grã-Bretanha (1 de Agosto de 1808)



H.M.S. Donegal, 1 de Agosto de 1808 



Meu caro Senhor: 

Não tenho nada a acrescentar à minha carta pública deste dia, excepto dizer-vos que tenho razões para acreditar que a estimativa do General Spencer relativa à força francesa em Portugal é exagerada. Pretendia fazer o ataque com o meu próprio corpo ajudado pelos portugueses, se porventura Spencer não pudesse juntar-se a mim, como lhe tinha ordenado no dia 26 de Julho; mas como recebi a vossa carta do passado dia 15, na qual anunciais os reforços, marcharei logo que chegue um dos corpos. 
Pole e Burghersh deram-me a conhecer as disposições para o futuro comando deste exército; e o primeiro informou-me da vossa gentileza para comigo, a qual experienciei tantas vezes que não posso duvidar dela em caso algum. Tudo o que posso dizer sobre este assunto é que, independentemente de quem comandar o exército, darei o meu melhor para garantir o seu sucesso; e podeis estar seguro de que não irei apressar as operações, nem as executarei mais cedo do que o devido, a fim de obter os créditos pelo sucesso. 
O Governo determinar-me-á onde serei empregado posteriormente, seja aqui ou noutro lugar. A minha opinião é que a Grã-Bretanha deve levantar, organizar e pagar um exército em Portugal, consistindo em 30.000 tropas portuguesas, que facilmente se formariam nos primeiros momentos; e 20.000 tropas britânicas, incluindo 4.000 ou 5.000 de cavalaria. Este exército poderia agir nas fronteiras de Portugal na Extremadura espanhola, e serviria como conduto entre os reinos da Galiza e da Andaluzia; isto daria à Inglaterra a preponderância na orientação da guerra na Península; e qualquer que fosse o resultado das exortações espanholas, Portugal estaria a salvo do jugo francês. Sabereis melhor [do que eu] se podereis suportar as despesas, ou que parte delas seriam ou poderiam ser liquidadas pelo Governo português. Contudo, se adoptardes este plano, devereis enviar tudo da Inglaterra: armas, munições, vestuário e equipamento dos militares, artilharia, farinha, aveia, etc. Este artigos devem ser conduzidos para a fronteira, uma parte através da navegação do Douro e do Tejo, e outra parte através de outros meios. 
Acreditai em mim, etc. 

Arthur Wellesley 


P.S.: O fundamento em que me baseio para acreditar que Castaños derrotou Dupont é uma cópia dum ofício do primeiro à Junta de Sevilha, publicado na Gazeta de Coimbra [Minerva Lusitana, n.º 14, 29 de Julho de 1808]. O seu teor é aproximadamente aquele que declarei no meu ofício, exceptuando somente que Dupont pode ter-se rendido com o seu exército, e que a força francesa na Sierra Morena, que não participou na acção do dia 20, pode ter capitulado, sob a condição de ser enviada para a França pelo mar; não entendo suficientemente o português para dizer se é este o caso ou não, e alguém levou a Gazeta. 

A. W. 


P.S. 2: Observareis que excedi a minha autoridade ao ordenar a Spencer para extrair 100.000 libras à Inglaterra e adiantar essa soma à Junta de Sevilha; espero que vejais a justeza deste acto, e que me envieis a sua aprovação. Devo mencionar, contudo, que desde que o dispus, ouvi dizer que Sir Hew Dalrymple se recusou a adiantar aos membros da Junta qualquer dinheiro, apesar dele ter autoridade para o fazer. 

A. W.

[Fonte: Lieut. Colonel Gurwood (org.), The Dispatches of Field Marshal the Duke of Wellington, K. G. during his various campaigns in India, Denmark, Portugal, Spain, the Low Countries, and France, from 1799 to 1818 – Volume Fourth, London, John Murray, 1835, pp. 43-44].

Sem comentários:

Enviar um comentário