quarta-feira, 9 de março de 2011

Digressão curiosa sobre os sebastianistas e suas opiniões; relação que estas tinham com os sucessos públicos, segundo Acúrsio das Neves



Aquela parte da história que se ocupa em desenvolver o espírito e as opiniões dos povos, os seus resultados e as suas relações com os acontecimentos públicos, é sempre a mais interessante, a mais difícil de seguir, e que de ordinário desprezam os escritores vulgares. Batalhas, roubos, saques e outros sucessos desta ordem são os que enchem os seus livros; porque lhes ferem vivamente a imaginação, ficando esquecida, com o estrondo destes grandes crimes, a parte filosófica, a mais digna de ocupar a atenção do homem.
O entendimento humano é capaz de todos os desvarios imagináveis; e estes desvarios terminam, segundo as circunstâncias, ou afogados em sangue, ou apupados pelas praças. Não tenho visto que o dos nossos sebastianistas tenha feito correr o sangue: é uma seita composta de homens, grandes entusiastas, mas muito pacíficos, que esperam a vinda próxima de um Rei que terminou a sua carreira há mais de dois séculos com tanta certeza e tão grande entusiasmo como os judeus a do seu Messias. Dias de luto viram nascer esta seita; dias de opressão e de miséria a têm propagado infinitamente em Portugal.
Testemunhos os mais acreditados e argumentos de um grande peso persuadiam a morte de El-Rei D. Sebastião na batalha de Alcácer; mas não eram bastantes a demonstrá-la; e um povo que idolatrava este monarca, que acabava de o ver partir com toda a segurança de caminhar a uma glória certa, e a quem o seu valor e as suas virtudes tinham ganhado uma confiança sem limites, não podia acreditar que o seu Rei, o seu herói, o sucessor de tantos heróis, em cuja dinastia julgava eternizado o trono português, por promessas expressas de Deus, fosse assim sepultado com a flor da nação nos bárbaros países africanos, que já contava sujeitos ao seu Império.
Viram-se as diligências que fez a Corte de Lisboa para conseguir o corpo daquele soberano; viu-se entrar o navio que o conduziu com uma pompa real; e viu-se trasladado com a mesma ao mosteiro de Belém, onde se encerrou em sepultura própria; mas nem todos acreditaram que aqueles ossos fossem os próprios de El-Rei D. Sebastião; antes foi fácil o propagar-se a opinião de que todos esses testemunhos dos que diziam ter visto cair o Rei ou conhecido o seu cadáver, todas essas diligências que se fizeram para o obter, tinham sido estratagemas de que se usara para persuadir aos mouros que a sua morte era certa, a fim de o não procurarem mais, e ele se poder salvar com mais facilidade.
Aproveitando-se da credulidade popular, alguns impostores se levantaram, querendo passar pelo extinto Rei, e tiveram sucesso. Filipe II, assenhoreando-se de Portugal, teve sempre contra si um grande partido, e é neste, que teve toda a facilidade para se propagar e fortificar a opinião dos sebastianistas, que provavelmente tomou os caracteres de seita no meio das violências e opressões em que gemeu o reino debaixo dos Filipes III e IV. Nestas crises violentas em que os espíritos se acham fortemente agitados, e quando os povos oprimidos suspiram por um libertador, o primeiro homem resoluto que levanta a voz e clama: Aí o tendes, os vossos trabalhos vão findar, pode contar certo com sequazes que o acreditam; os milagres e as profecias não tardam, e o entusiasta de proposição em proposição pode avanaçar aos maiores absurdos, que serão recebidos como verdades palpáveis; quimeras as mais extravagantes passarão por realidades. É assim que nascem e se propagam as seitas.
El-Rei D. João IV foi o libertador; mas os portugueses o conheciam; ele não era Sebastião, e a seita tinha já lançado muitas raízes para ficar aniquilada. A prosperidade de que gozou Portugal debaixo dos sucessores deste monarca, depois de acabada a guerra de Espanha, concorreu muito para enfraquecê-la; contudo, ela se conservou sempre, não só pelas lojas dos sapateiros, pelas tendas e oficinas, mas por todas as ordens do Estado, e entre os letrados de segunda classe.
A entrada dos franceses em Portugal deu-lhe novas forças, que foram crescendo à proporção que o peso das suas vexações se aumentava; metade de Lisboa fez-se sebastianista. Um dos mais resolutos corifeus, que morava na Rua das Taipas por baixo da muralha de S. Pedro de Alcântara, encontra no seu quintal um ovo de galinha, em cuja casca se viam perfeita e distintamente desenhadas em relevo as letras "D. S. R. P.". Algum indivíduo, dos que costumam chamar-se de bom humor, o tinha ali introduzido para se rir do pobre homem; mas ao seu aspecto não se duvida de que é um milagre, e é claro que as letras designam os nomes de que são iniciais Dom Sebastião Rei de Portugal. Todo o bairro se amotina, e de toda a Lisboa concorre gente a ver o ovo; e este é depois conduzido a boas casas, e até ao Quartel-General, para ser examinado. Alguns curiosos imitam artificialmente as mesmas letras em outros ovos; mas nenhum sai com a perfeição do primeiro; e não há forças humanas que possam convencer a maior parte do que o viram de que a arte ou a mão do homem tenha produzido aquela obra admirável*
Desde este momento o velho da fundição passa por profeta, e o estampador da Praça da Alegria por um homem de raro saber; e estes dois apóstolos, rodeados de um grande número de discípulos, levam consigo as turbas. Revolveram-se mais que nunca os antigos escritos e profecias que fazem para o caso. As do Bandarra, de que algumas trovas são terminantes, foram sempre muito respeitadas; mas agora ficaram escurecidas pelas do mouro de Granada, e sobretudo pelas do pretinho do Japão, pela precisão e clareza com que falam, designando até os nomes. Vieram em seu socorro muitos milagres e muitas revelações de santos e santas, e de alguns veneráveis como eram as de Santa Teresa, do irmão Pedro de Basto, das madres Marta, Leocádia e Brígida, os discursos de um pedreiro chamado por antonomásia o profeta dos morrões, os testemunhos de vários mudos que falaram, e de uma criancinha de três meses, que mesmo nesta ocasião falou para confundir os incrédulos, apontando-se o bairro, a rua e a casa em que isto sucedera; e enfim, deixando outros muitos testemunhos que se produziam como autênticos e decisivos, e [que] para se referirem encheriam muito papel, argumentava-se com S. Cirilo, S. Metódio, S. Ângelo, S. Gil, Santo Isidoro, e até se avançava ao Apocalipse e aos livros de Isaías e de outros profetas da antiga lei, que tudo se achava em concordância com a promessa feita em nome de Deus a D. Afonso Henriques, pelo ermitão que lhe falou antes da batalha do campo de Ourique.
Faz pasmar a rapidez com que estes sonhos adquiriram imensos prosélitos de todas as ordens: de tanto é capaz o entendimento humano! Os pobres homens, embebidos nas suas quimeras e esperançados de um próximo futuro que lhes devia trazer uma felicidade sólida e permanente, distraiam-se um pouco da sensação dolorosa dos seus males verdadeiros, os ociosos entretinham o tempo, e os sensatos olhavam com piedade tantas loucuras a par de tantas desgraças. 
O divertimento chegou a ser pesado para alguns; um dele, que pela sua profissão é assaz conhecido, teve a honra de receber dentro de uma pescada que comprou, uma carta de El-Rei D. Sebastião, em que lhe participava que era chegado e lhe ordenava que à noite o fosse esperar a certa praia do Tejo; o homem foi, e ouvindo vozes da parte do mar que chamavam por ele, não sei o que mais lhe aconteceu; porque se conta por diferentes modos o desfecho deste entremez. É certo que ficou desenganado da sua quimera pelo mau jogo em que o meteram os malignos que abusaram da sua sinceridade. Deve saber-se que disputando-se muito entre os sebastianistas sobre o tempo e modo em que havia de chegar aquele Rei, era opinião muito seguida que ele se achava encoberto na esquadra russa então fundeada no Tejo, defronte daquela praia.
No tempo em que escrevo, pouco ou nada têm perdido os sebastianistas do seu vigor. Os prodígios continuam a seu favor, e eu conheço um que mostra em sua casa pelo microscópio, figurados numa colecção de conchas, todos os últimos acontecimentos públicos da Europa. Não há muito tempo que eles receberam avisos certos do Algarve, de se ter dali avistado a ilha encoberta**, com uma esquadra que deve trazer o Rei e um cais soberbo em que deve embarcar. Vende-se a planta desta ilha junto ao pátio da moeda, na Rua Direita de S. Paulo em Lisboa, e representa perfeitamente os copados arvoredos que a revestem, as praias, o palácio do Rei, os leões que o guardam, e o mesmo Rei passeando por entre eles, vestido de corte; até se acham nela pintados os dois religiosos que o viram e lhe falaram, e voltando ao continente assim o juraram em Roma. É desta ilha que deve sair D. Sebastião, para ir com um grande exército combater Napoleão em pessoa, que deve, às suas mãos, ficar morto no campo de Sertório junto a Évora, e formar depois o 5.º Império previsto por Bocarro nas suas Anacephaleoses da Monarquia Lusitana; e, melhor dissera, nas tolices da sua imaginação escandecida.
Tem-se dito injúrias aos sebastianistas, e houve quem os quisesse despicar: daqui nasceu esta renhida guerra de pena que diverte os ociosos, faz trabalhar as imprensas e dá dinheiro aos combatentes; é de sentir que também dê consumo a muito papel que podia empregar-se em objectos mais úteis; género de que Portugal sente uma grande falta. Não há razão para dizer injúrias àquela pobre gente que não ofende a pessoa alguma, e de que o grande apego às suas opiniões extravagantes mostra o seu ódio aos usurpadores, a sua fidelidade aos seus Reis naturais; paixões que exaltou ao último ponto a opressão do reino debaixo de um governo usurpado.
Esta verdade é muito palpável para deixar de ser conhecida por Junot; ele se ria de tais extravagâncias, como faziam os portugueses sensatos que podiam rir-se; mas no fundo do seu coração elas não lhe podiam ser indiferentes. Num dos seus passeios ao Alto das Chagas, que não eram passeios de mera curiosidade, vendo a multidão de gente que ali se achava olhando para o mar, ele a foi dispersando, perguntando-lhe bruscamente se esperavam ali por El-Rei D. Sebastião, se pelos ingleses. Convenho em que os ingleses lhe metiam mais medo do que El-Rei D. Sebastião; mas podia bem lembrar-se de que estes mansos cordeiros que o esperavam podiam, à força de oprimidos, tornar-se leões raivosos.


_____________

[Notas do autor:]

A operação é muito fácil: formai com cera as letras que quiserdes sobre a casca do ovo, e depois o mergulhai em água forte destemperada com água ordinária, ou, o que é ainda mais fácil, em vinagre ou outro ácido brando, e em menos de duas ou três horas desta infusão vereis diluída uma porção da superfície externa do ovo que ficou livre, e tirada então a cera, aparecerão perfeitamente desenhadas em relevo as letras; porque terá ficado intacta toda a parte da mesma superfície que a cera cobria e defendia da acção dos ácidos.

** Se os curiosos quiserem perder algum tempo com os desvarios relativos à ilha encoberta e outros objectos análogos, podem consultar o padre Cordeiro na Historia insulana.


[Fonte: José Accursio das Neves, Historia Geral da Invasão dos Francezes em Portugal - Tomo II, Lisboa, 1810, pp. 142-154].

Sem comentários:

Enviar um comentário