quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Carta do General Wellesley ao Secretário de Estado da Guerra, Lord Castlereagh, sobre a batalha da Roliça (17 de Agosto de 1808)



Quartel-General de Vila Verde, 17 de Agosto de 1808

Meu Senhor:

Como o General francês Laborde continuou na Roliça desde que cheguei às Caldas no passado dia 15, determinei atacar a sua posição hoje de manhã. A Roliça está situada numa elevação, diante duma planície, no final dum vale que começa nas Caldas e se fecha a sul por montanhas que se unem com as colinas que formam o vale à esquerda. Observando a partir das Caldas, no centro do vale e a cerca de oito milhas da Roliça está a vila e o antigo castelo mourisco de Óbidos, donde foram expulsos os piquetes do inimigo no dia 15; e desde então o inimigo tem postos nas colinas de ambos os lados do vale, tal como na planície em frente do seu exército, que estava postado nas alturas em frente da Roliça, com a sua direita disposta nas colinas, e a sua esquerda sobre um monte onde havia um moinho de vento; protegendo quatro ou cinco passagens para as montanhas na sua retaguarda. 
Tenho razões para acreditar que a sua força consistia em pelo menos seis mil homens, dos quais cerca de quinhentos eram de cavalaria, com 5 peças de artilharia; e tinha algumas razões para supor que o General Loison, que estava ontem em Rio Maior, juntar-se-ia ao General Laborde pela sua direita, durante o decorrer da noite. 
O plano de ataque foi formado em consequência disto, e o exército [britânico], tendo-se dividido hoje de manhã nas Caldas, formou-se em três colunas. A direita consistia em 1.200 homens de infantaria portuguesa e 50 de cavalaria também portuguesa, destinados a girar o flanco esquerdo do inimigo e a penetrar nas montanhas que ficavam na sua retaguarda. A esquerda, que consistia nas brigadas de infantaria do Major General Ferguson e do Brigadeiro General Bowes, em três companhias de caçadores, uma brigada de artilharia ligeira e 20 britânicos e 20 portugueses de cavalaria, estava destinada, sob o comando do Major General Ferguson, a subir as colinas em Óbidos e a fazer girar os postos do inimigo na esquerda do vale, bem como a direita dos seus postos na Roliça. Este corpo estava também destinado a observar os movimentos do General Loison, na direita do inimigo, sobre o qual fui informado que fizera um movimento de Rio Maior para Alcoentre na noite anterior. A coluna do centro, que consistia nas brigadas do Major General Hill, do Brigadeiro General Nightingale, do Brigadeiro General Crauford e do Brigadeiro General Fane (à excepção dos caçadores destacados com o Major General Ferguson) e em 400 homens de infantaria ligeira portuguesa, na cavalaria inglesa e portuguesa, numa brigada de artilharia de calibre 9 e noutra de calibre 6, estava destinada a atacar a posição frontal do General Laborde. 
Sendo assim formadas as colunas, marcharam as tropas de Óbidos pelas 7 horas da manhã. Os caçadores do Brigadeiro General Fane foram imediatamente destacados para as colinas à esquerda do vale, para manter a comunicação entre o centro e a coluna esquerda e para proteger a marcha desta ao longo do vale; e os postos do inimigo foram sucessivamente batidos. A brigada do Major General Hill, formada em três colunas de batalhões, marchou pela direita do vale, sustentada pela cavalaria, a fim de atacar a esquerda do inimigo; e os Brigadeiros Generais Nightingale e Crauford marcharam com a artilharia ao longo da estrada real, até que finalmente o primeiro formou-se na planície imediata e frontal ao inimigo, sustentado pelas companhias de infantaria ligeira e pelo Regimento n.º 45 da brigada do Brigadeiro General Crauford, enquanto que os outros dois Regimentos desta brigada (os n.os 50 e 91) e metade da brigada da artilharia de calibre 9 mantiveram-se como reserva na retaguarda. 
O Major General Hill e o Brigadeiro General Nightingale avançaram sobre as posições do inimigo, e, ao mesmo tempo, os caçadores do Brigadeiro General Fane estavam nas colinas à sua direita, a infantaria portuguesa estava numa aldeia à esquerda, e a coluna do Major General Ferguson ia descendo das alturas para a planície. Perante esta situação, o inimigo retirou-se pelas passagens das montanhas com a maior regularidade e com grande celeridade; e não obstante o rápido avanço da infantaria britânica, a falta de um corpo suficiente de cavalaria foi a causa de dita infantaria ter sofrido um pouco na planície, embora com escassas baixas. 
Foi então necessário fazer os preparativos para um ataque à formidável posição que o inimigo tinha tomado. 
Os caçadores do Brigadeiro General Fane estavam já nas montanhas à sua direita, e não perderam tempo para atacar as diferentes passagens, quer para se sustentarem, quer para baterem completamente o inimigo. 
A infantaria portuguesa recebeu ordens para subir até uma passagem à direita; as companhias ligeiras da brigada do Major General Hill e o Regimento n.º 5 marcharam a uma passagem próxima, à direita; e o Regimento n.º 29, sustentado pelo Regimento n.º 9, sob o comando do Brigadeiro General Nightingale, marcharam a uma terceira passagem; e os Regimentos n.os 45 e 82 marcharam a umas passagens à esquerda. 
Todas estas passagens eram de difícil acesso, e algumas delas foram bem defendidas pelo inimigo, particularmente aquela que foi atacada pelos Regimentos n.os 9 e 29. Estes Regimentos atacaram com grande impetuosidade e alcançaram o inimigo antes dos outros regimentos, que deveriam atacar os seus flancos.
A defesa do inimigo foi desesperada, e foi sobretudo neste ataque que tivemos as baixas que temos de lamentar, particularmente a dum bravo oficial, o Tenente Coronel Lake, que se distinguiu nesta ocasião. Não obstante, o inimigo foi batido em todas as posições que tinha tomado nas passagens das montanhas, e as nossas tropas avançaram até ao terreno plano que está no cimo. Durante um tempo considerável, os Regimentos n.os  29 e 9 marcharam sozinhos até este ponto, com os caçadores do General Fane a alguma distância à esquerda, sendo depois sustentados pelo Regimento n.º 5 e pelas companhias ligeiras da brigada do Major General Hill, que tinham vindo pela sua direita, e ainda pelas outras tropas que receberam ordens para subir as montanhas, que ascendem gradualmente. 
No topo das montanhas, o inimigo fez três ataques dos mais bravos sobre os Regimentos n.os  29 e 9, que estavam sustentados como acima indiquei, com o objectivo de cobrir a retirada do seu exército batido, embora em todos eles tenha sido repelido; ainda assim, conseguiu efectuar a sua retirada em boa ordem, o que se deveu, em primeiro lugar, à minha falta de cavalaria, e, em segundo lugar, à dificuldade de trazer rapidamente às passagens do cimo das montanhas um número suficiente de tropas e de canhões para sustentar os que tinham subido primeiro. As perdas do inimigo, no entanto, foram bastante grandes, deixando ainda em nossas mãos três peças de artilharia.
Não posso aplaudir suficientemente a conduta das tropas durante esta acção. As posições do inimigo eram formidáveis, tinham sido tomadas com a sua habitual habilidade e rapidez, e ele defendeu-as valentemente. Mas devo observar que, apesar de termos uma grande superioridade no número de tropas empregadas neste dia, as que realmente entraram no calor da acção, por circunstâncias inevitáveis, foram somente os Regimentos n.os  5, 9 e 29, os caçadores dos [Regimentos] n.os 95 e 63, e as companhias dos flancos da brigada do Major General Hill; cujo número total era certamente inferior ao do inimigo. Por este motivo, a sua conduta merece a mais alta recomendação. 
Não posso deixar de aproveitar esta ocasião para expressar os meus reconhecimento pela ajuda e suporte que recebi de todos os Generais e doutros oficiais deste exército: estou particularmente em dívida ao Major General Spencer pelos conselhos e assistência que dele recebi; ao Major General Ferguson, pela maneira como comandou a coluna esquerda; e ao Major General Hill e aos Brigadeiros Generais Nightingale e Fane, pela maneira como conduziram os diferentes ataques que lideraram. 
Obtive mais assistência material também do Tenente Coronel Tucker e do Tenente Coronel Bathurst, nos cargos [respectivos] de deputado-Ajudante e de deputado-Quartel-mestre General, e dos oficiais do Estado-Maior às suas ordens. Devo também mencionar de que tive toda a razão para ficar satisfeito com a artilharia comandada pelo Tenente Coronel Robe. Tenho a honra de incluir aqui a conta dos mortos, feridos e desaparecidos.
Tenho a honra de ser, etc.

Arthur Wellesley


Sem comentários:

Enviar um comentário