quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Auto da Câmara de Abrantes, por ocasião da restauração da dita vila (17 de Agosto de 1808)



Ano do nascimento do nosso Senhor Jesus  Cristo de 1808, aos 17 dias do mês de Agosto do sobredito ano, nesta notável vila de Abrantes e casas da Câmara, onde se achava em auto de Câmara o Juiz pela Ordenação o Capitão mor Álvaro Soares de Castro e Ataíde, e os Vereadores José, Francisco Xavier Burgueta de Oliveira, e os Oficiais da Câmara, todos abaixo assinados, e Procurador da mesma, aí com o povo e nobreza desta vila e o clero, em presença de todos compareceu Manuel de Castro Correia de Lacerda, natural de Monforte de Rio Livre, Capitão de cavalaria novamente organizada em Coimbra, e depois de ter entrado à testa de 80 homens de caçadores paisanos das companhias de Salvaterra e Monsanto, e alguns homens armados de chuços do termo da Cortiçada, se dirigiu pelas seis horas da manhã deste dia a expulsar a tropa francesa que se achava nesta vila de guarnição, e depois de dirigir o ataque e haver um aturado fogo de parte a parte, pelas nove horas e meia se achavam cento e doze prisioneiros franceses, que se tinham fortificado no castelo, e mais de cinquenta mortos e alguns feridos, acontecendo pelas sábias disposições do dito Capitão comandante e [pelo] valor dos oficiais e soldados que atacaram não haver um só morto nem ferido dos portugueses, cuja heróica acção, para que fique de eterna memória, se mandou lavrar este auto, em que se deve acrescentar que o mesmo Capitão comandante enviou destacamentos de ordenanças para as bordas do Tejo, para aprisionar os fugitivos, e que naquele mesmo rio foram apresados dois barcos de trigo, seis fardos de roupa e a botica, assim como muitas armas e toda a cavalaria que aqui tinham, cuja soma era de quarenta e tantos cavalos, que logo depois da acção se dirigiu a casa do Corregedor mor, acompanhado do escrivão da mesma vila e de outros oficiais de ordenanças, onde se apreendeu toda a secretaria e correspondência com o Governo francês, e até os planos da guerra actual; mandando depois disto pôr travessas nas portas, para se fazer sequestro, quando o tempo o permitisse, reconhecendo todos a supremacia da Suprema Junta do Porto. E logo pelos Vereadores e [de]mais oficiais, e pela nobreza e povo desta mesma vila se deram os agradecimentos a ele, dito comandante, de tão heróica acção de os livrar com tanto valor, e prudência da escravidão em que o Governo francês tinha posto esta vila, e passaram eles Vereadores a mandar descobrir as armas e içar a bandeira de Sua Alteza Real com muitos vivas e repiques de sinos, para mostrarem quanto era do gosto de todos sues habitantes o estarem restituídos à sua antiga liberdade e a um Governo do seu antigo e amado Soberano D. João, Príncipe do Brasil, legítimo Soberano do Reino de Portugal e seus domínios; porque suposto que ausente, sempre os moradores desta vila em seus corações lhe guardaram fidelidade e amor, suspirando que se achasse o tempo de poderem respirar e declararem-se, como agora fazem; e concluíram e determinaram que por este auto haviam por aniquilados e por nulos e sem efeito todos os decretos, decisões e determinações emanadas do Governo francês, quaisquer que eles fossem, e quaisquer que fossem as autoridades donde venham, pois não queriam que desde hoje em diante tivessem vigor, e determinaram finalmente que hoje de tarde se corresse ao Altíssimo a ir prestar-lhe graças por um benefício tão inesperado, que acabavam de receber da sua Mão Omnipotente. E por haverem assim ordenado, mandaram fazer este auto, que todos assinaram com o referido comandante, e eu Anastácio José Libano de Araújo, escrivão da Câmara, o escrevi.


[seguiam-se as assinaturas do Comandante, Câmara, clero, nobreza e povo].

[Fonte: José Accursio das Neves, Historia Geral da Invasão dos Francezes em Portugal, e da Restauração deste Reino - Tomo V, Lisboa, Officina de Simão Thaddeo Ferreira, 1811, pp. 105-108].

Sem comentários:

Enviar um comentário