segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Acolhimento das tropas de Junot

Após se saber em Lisboa que Junot tinha chegado a Sacavém, o Marquês de Vagos, Comandante das armas da província da Estremadura, possivelmente avisado pela Regência, ordenava que se prestassem, na manhã de 30 de Novembro, as respectivas honras militares ao General Junot, e que alguns Regimentos portugueses cedessem as suas instalações para se aquartelarem as tropas francesas: 



O Senhor General Marquês de Vagos ordena que do 7.º Regimento de Cavalaria se achem amanhã, 30 do corrente, pelas 8 horas da manhã, 2 Esquadrões no cruzeiro de Arroios. Igualmente, um Batalhão de Granadeiros composto das 4 Companhias dos Regimentos 1.º [?], 13.º, 16.º, 19.º, às mesmas horas; estes dois corpos esperarão o Senhor Junot, Comandante em Chefe do Exército francês, e marcharão, depois de lhe ter passado e feito a devida continência na retaguarda da sua escolta. O Regimento de Infantaria n.º 16 evacuará sem perda de tempo o Quartel do Convento de S. Bento, aonde deverá aquartelar-se um Batalhão francês, e marchará a aquartelar-se no Quartel de Campo de Ourique. A Cavalaria da Polícia deverá patrulhar pelas ruas da cidade. O seu Ajudante Francisco de Melo se achará às mesmas horas no referido sítio para conduzir a Artilharia francesa pelo caminho de Benfica para a Torre de S. Julião da Barra, dizendo[?] ao General Junot, que não coube no tempo mandar ir um oficial de Artilharia por estar o Regimento em grande distância.

Deus Guarde a Vossa Senhoria.
Quartel-General da Junqueira, 29 de Novembro de 1807, pelas 11 horas da noite.


D. José Carcome Lobo [Brigadeiro Comandante da Divisao de Lisboa e Belém]


Marquês de Tancos [?]


Ajudante de ordens







Sem comentários:

Enviar um comentário