sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Plano de Wellesley para as operações do Exército anglo-luso (26 de Agosto de 1808)



Ramalhal, 26 de Agosto de 1808.


1. A totalidade do exército marchará amanhã de manhã, dia 27, para as colinas deste lado [=norte] de Torres Vedras. Isto deve depender do resultado da missão do Coronel Murray. Se Junot se declarar pronto a negociar, provavelmente o General [Dalrymple] não estará disposto a apresentar o seu exército tão perto da linha de demarcação [rio Sizandro]; em caso contrário, quanto mais rápido nos movermos, melhor.

2. No dia 28, as seguintes brigadas marcharam pela sua esquerda para o Sobral [de Monte Agraço], a saber:

                                  A brigada do Major General Hill.
                                  A brigada do Major General Ferguson.
                                  A brigada do Brigadeiro General Nightingall.
                                  A brigada do Brigadeiro General Crauford.
                                  A brigada do Brigadeiro General Fane.
                                  A brigada do Brigadeiro General Bowes.
                                  O regimento n.º 20 de dragões ligeiros.
                                  A cavalaria portuguesa.
                                  A infantaria portuguesa comandada pelo Coronel Trant.
                                  Uma brigada de artilharia de calibre 9.
                                  Duas brigadas de artilharia de calibre 6.
                                  Munições, etc., de reserva, do parque [de artilharia] do Coronel Robe.

3.  A infantaria do corpo do Tenente-General Moore, que conta com 5.000 ou 6.000 homens, desembarcará o mais rápido possível, e reunir-se-á neste campo. Desembarcarão e reunir-se-ão no mesmo lugar três brigadas de artilharia e os seus respectivos cavalos, e também a cavalaria. Supõe-se que este desembarque esteja concluído ao entardecer do dia 28.

4. Na manhã do dia 29, as tropas que ficaram neste campo marcharão para [Enxara dos] Cavaleiros, na estrada para Cabeça de Montachique. O exército português na Lourinhã marchará no mesmo dia para S. Pedro da Cadeira, na estrada para Mafra, e os corpos que estiverem em Sobral de [Monte Agraço] marcharão para S. Antão de Tojal. Se se descobrir que as tropas francesas continuam na posição da Cabeça de Montachique, as tropas mover-se-ão no dia seguinte, 30, por Loures, para atacarem o inimigo na Cabaça de Montachique pela retaguarda, que será ao mesmo tempo atacado pela frente pelas tropas vindas de [Enxara dos] Cavaleiros; e as tropas portuguesas marcharão nesse dia 30 para Mafra. Estes corpos marcharão como se segue: no dia 28, por Runa para o Ramalhal; no dia 29, por Runa e Torres Vedras para [Enxara dos] Cavaleiros; no dia 30, pela mesma estrada, a não ser que o inimigo se retire. Se o inimigo se retirar, então por Cabeça de Montachique e Loures.

5. As restantes forças da infantaria do corpo de Sir John Moore devem desembarcar o mais rápido possível depois do primeiro desembarque da infantaria, cavalaria e artilharia. Este corpo de infantaria deve reunir-se, enquanto reserva, no campo do Vimeiro, e marchar no dia 30 pela estrada em direcção a Mafra e a Sintra, mantendo aberta a sua comunicação com o mar, e recebendo os seus suprimentos das provisões da frota [britânica].

6. Todos os navios que agora se encontram no ancoradouro na Maceira [=praia do Porto Novo] partirão para a boca do Tejo, à excepção de um transporte de provisões, um de material bélico, um com feno e aveia, e um hospital naval, que devem permanecer com o Capitão Bligh, que comunicará diariamente com o corpo que se reunirá no campo do Vimeiro, e que deverá marchar pela estrada de Mafra.

7. Os outros corpos serão aprovisionados da forma seguinte: Os corpos que agora estão no campo receberão pão para três dias (29, 30 e 31), ao amanhecer do dia 28. Os corpos que marcharão para Sobral [de Monte Agraço] serão assistidos pela brigada do seu comissariado, cujas mulas transportarão pão para três dias, e carne para três dias. Os cavalos da cavalaria e da artilharia receberão na manhã do dia 28 grãos para três dias (29, 30 e 31).

8. Será enviado com este corpo, em carros, pão para três dias para a infantaria e cavalaria portuguesa.

9. Os carros à disposição do comissariado levarão para cima de 100.000 libras de pão, carne, álcool, etc., que assistirão os movimentos dos corpos, na sua marcha no dia 29 do campo para [Enxara dos] Cavaleiros. Estimando o consumo destas tropas em 15.000 rações diárias, terão pão que chegue até 4 de Setembro.

10. De forma a executarem-se estas disposições, será necessário que hoje, dia 26, se consigam mais de 560 sacos de pão, que supostamente desembarcaram ontem; que todo o pão esteja neste campo amanhã de manhã, dia 27; que se desembarquem mais 960 sacos no dia 27 em Maceira [=praia do Porto Novo]; e que se enviem os carros vazios no dia 27 para a Maceira, para que possam estar cheios no dia 28, e prontos a partir no dia 29. O corpo que desembarcará e que estará sobre o campo de Torres Vedras no dia 27, deverá ter consigo pão para cinco dias, até ao dia 31, inclusive.

Arthur Wellesley


Sem comentários:

Enviar um comentário