segunda-feira, 25 de julho de 2011

Carta de William Warre ao seu pai, sobre a chegada do exército britânico à foz do Douro (25 de Julho de 1808)



Enseada do Porto, 25 de Julho de 1808

Meu querido pai:

Hoje de manhã chegámos aqui, onde se tinha convocado o encontro e reunião [das várias embarcações vindas da Inglaterra]. Ainda não consegui comunicar com a costa, e é pouco provável que consiga ver os meus amigos aqui ou mesmo em terra. Acabaram de me informar que uma fragata parte para a Inglaterra, e esta embarcação só está espera que acabe a minha carta para poder partir, de maneira que somente tenho tempo para dizer que todos estamos bem. Penso que iremos desembarcar em Lisboa e atacar Junot. Esta é a minha ideia, mas nada se sabe. Seria impossível, para não dizer frustrante (por não ser capaz de descrevê-lo), expressar os sentimentos que tive ao ver o lugar do meu nascimento, o sítio onde vivi alguns dos dias mais importantes da minha vida. Se desembarcarmos, tereis novas notícias minhas, logo que tiver oportunidade. Agora estão a chamar-me para que lhes entregue minha carta.
O vosso filho sempre afeiçoado,

William Warre

[P.S.] Abri esta carta para dizer que tenho uma mensagem do Comodoro, que diz que lamenta por não me ter sido possível desembarcar, pois [os oficiais] apenas esperam que Sir Arthur Wellesley regresse para se fazerem à vela. Eles estão a combinar disposições para a ancoragem da frota e para o desembarque. Spencer irá reunir-se connosco. Estou bastante desapontado por não ter desembarcado ou comunicado com a costa.

Adeus,
Com as maiores saudades.


Sem comentários:

Enviar um comentário