quinta-feira, 26 de maio de 2011

Carta da Junta do Principado das Astúrias a Sua Majestade o Rei da Grã-Bretanha (26 de Maio de 1808)



O Principado das Astúrias, reunido em Junta geral de Representantes, nos quais reside toda a Soberania devido às particulares circunstâncias, que serão comunicadas a Vossa Majestade, ameaçado de cair na escravidão de um Conquistador que, mais com a perfídia do que com o valor e a legalidade, quer aumentar o seu domínio, e animado com a dor de ver nas cadeias de um tirano violador de todos os direitos o seu desgraçado Rei Fernando VII e os demais membros da Família Real, tomou neste dia denodadamente as armas em sua defesa, para recuperar a Monarquia, quando não o possam as suas pessoas.
Grande é, Senhor, a resolução; mas é tão grande o ânimo e a justiça com que esta província decidiu, e a confiança que tem no favor e na ajuda dessa nação generosa e do seu Augusto Soberano, que desde logo conhecerá o terrível resultado da desmedida ambição do governo francês, cujo poder, se aumentado excessivamente com a possessão da Espanha, aspiraria à Monarquia Universal.
Acode assim o Principado, através dos seus deputados investidos com plenos poderes*, a solicitar de Vossa Majestade os auxílios oportunos na presente situação, e espera com o seu General em Chefe o Marquês de Santa Cruz de Marzenado, nomeado, reconhecido e jurado como tal, que Vossa Majestade se dignará aceder aos seus muito atentos rogos.
Nosso Senhor conserve e prospere a importante vida de Vossa Majestade.
Oviedo, 26 de Maio de 1808.

Os Representantes do Principado das Astúrias:
O Marquês de Santa Cruz de Marzenado
O Conde de Margel de Peñalva
D. Alvaro Florez Estrada, Cavalheiro Procurador Geral

Por acordo da Junta Geral do Principado das Astúrias,
Juan Argüelles, Vogal Representante e Secretário




Nota: 


* Estes deputados eram D. Diego (ou Andrés) de la Vega e o Visconde Matarrosa (futuramente conhecido como Conde de Toreno), que chegaram ao porto de Falmouth a 6 de Junho e dois dias depois a Londres, como se verá numa carta e numa notícia que adiante publicamos.

Sem comentários:

Enviar um comentário