quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Portugal entre a espada e a parede: venha o diabo e escolha...

A seguinte caricatura de Charles Williams é bem curiosa, em primeiro lugar porque demonstra que os ingleses conheciam melhor as intenções de Napoleão do que os próprios portugueses, uma vez que foi publicada a 10 de Novembro de 1807, ou seja, poucos dias antes das tropas de Junot entrarem em Portugal (em Lisboa a corte só soube que os franceses estavam invadido o país quando estes já se encontravam em Abrantes, no dia 24 de Novembro)... Em segundo lugar, porque retrata o que realmente se passará em Portugal: os franceses ocupam o país, enquanto os ingleses, aos poucos, vão abrindo o bloqueio que fizeram na costa, permitindo quer a importação, quer a exportação de bens e mercadorias. Ingleses e franceses sairão a lucrar desta história (Napoleão é que não gostará muito disto, segundo cartas reprovadoras que enviará a Junot). O povo português, como sempre, é que verdadeiramente se lixou...






Descrição: Um pequeno Napoleão, sentado numa pipa de vinho do Porto (envelhecido e genuíno), interpola John Bull:  “E agora, mestre John Bull, mais notícias para ti. Em breve estarás fora do Porto”.
Um português aproxima-se de John Bull, de chapéu na mão, dizendo: “Sou, como vê, um pobre português. Mas ele refere-se ao vinho do Porto; ele ficaria contente por trocá-lo aí pela sua grande bolsa de moedas – mas ela pertence-me, aqui entre nós”.  
John Bull, sentado e fumando um cachimbo, com um jarro de cerveja e uma enorme bolsa de moedas ao seu lado, replica: “Que se lixe ele e o seu Porto. Estou bem acomodado de Porto, e enquanto for abrindo os meus muros de madeira [i.e., o bloqueio instaurado pela esquadra britânica], e tiver um copo de uma cerveja feita na minha terra, as suas conquistas nunca me preocuparão”.

Sem comentários:

Enviar um comentário